shadow

Vamos começar a pensar sobre a ideia de Feedback?

E em que sentido devemos dar feedback? Aliás, o que vem a ser feedback?

Vamos a uma definição básica do dicionário do Google:

substantivo masculino
  1. reação a um estímulo; efeito retroativo.
  2. COMUNICAÇÃO
    informação que o emissor obtém da reação do receptor à sua mensagem, e que serve para avaliar os resultados da transmissão.

Ou seja, saber o que a outra parte pensa sobre atividade, proposta, definição e outros contextos internos e externos.

Em bom português: Alguém te perguntou algo? Recebeu proposta de alguém? Teu cliente pediu uma resposta? Tem que ensinar alguém?

Qual a sua postura? Toma a decisão e depois diz sim ou não? Explicita teus motivos? Diz o que pensa a respeito e como chegou a conclusão?

Caso isto não seja uma prática constante sua, melhor repensar a sua forma de agir.

Dar um retorno é o mínimo, o básico do respeito com outro ser humano. Não falo aqui de toda questão de motivação, lealdade, veracidade, entre outros adjetivos. Discorro aqui sobre o respeito básico de uma conversa básica entre dois seres humanos.

Se um colaborador te pediu uma opinião ou uma revisão de algo, não responder ou responder apenas com uma palavra, normalmente dita saindo da sala, não se trata apenas não dar feedback adequadamente, mas sim de faltar o respeito enquanto outra pessoa merece o retorno.

Temos que voltar a pensar nas consequências dos nossos atos. Não aquele pensar politicamente correto como alguns gostam de citar, mas o essencial da relação humana.

A tecnologia nos afastou. Ao invés de nos aproximar e gerar mais contatos inclusive presenciais, temos exemplos agora de demissões por email e WhatsApp, pessoas na mesma sala trocando mensagens ao invés de uma boa conversa olho no olho.

Feedback é olho no olho. Feedback é racional e emocional. Feedback é mostrar os porquês do negócio, os porquês da sua razão, os porquês que dão azo ao feedback.

E mais, feedback pode ser positivo!

E este é tão, senão mais essencial que o corretivo (se for feedback negativo não é feedback mais sim xingamento, subjugar ou qualquer outro elemento) e deve ser dado sistematicamente assim como o corretivo também.

Algumas dicas práticas:

=> Diga o que quer dizer. O óbvio deve ser dito!

=> Faça olho no olho.

=> Não faça se estiver fora da sua razão normal. Você deve estar tranquilo para conversar e não nervoso ou tendo apenas 1 minuto para dar o feedback. Ouvir é imprescindível.

=> Dê feedback inclusive para fornecedores, conhecidos ou pessoas que na sua visão não tem muita importância (o que é um erro pensar assim, mas tem gente que acha que outras são sem importância).

=> Você gera expectativas o tempo todo, estando em cargo de liderança. Pense nos seus atos. Exerça a autorresponsabilidade!

Enfim, faça feedback ou não faça. Agora paliativos ou invenções a respeito só agravam a comunicação e relacionamento.

Na dúvida se está fazendo correto, pense no respeito. Se você está tendo respeito por outra pessoa ao dar o feedback, você está no caminho certo.

#FraternoAbraço

Gustavo Rocha
Consultoria GustavoRocha.com  |  Gestão, Tecnologia e Marketing Estratégicos
Robôs  | Inteligência Artificial | Jurimetria
(51) 98163.3333  | gustavo@gustavorocha.com  | www.gustavorocha.com

Publicidade

shadow


Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.