shadow

por Ivan F. Cesar – 

Numa pesquisa informal sobre exportação realizada com alguns micro-empresários, 70% disseram que nunca haviam pensado nessa hipótese e 25,5% pensaram, mas não tiveram coragem de colocar em prática, pois achavam que seria muito complicado.

Ei… acorde!!!

Nunca foi tão fácil para as MPE (micro e pequenas empresas) vender seus produtos no exterior! Alguns pequenos empresários estão acordando e percebendo as facilidades e vantagens desse mercado que, em países como a Itália, por exemplo, responde por 50% do total das exportações. Hoje, a quantidade de oportunidades no exterior é bem maior do que o número de empreendedores nacionais que as estão aproveitando.

Para superar a “barreira” de encontrar quem esteja interessado em seus produtos no exterior e como realizar as adequações necessárias aos hábitos e costumes locais, existem entidades, como o SEBRAE e o MDIC, que possuem consultorias e um enorme banco de dados para quem deseja exportar. Você encontrará desde pesquisas de mercado e listas de documentos exigidos até o roteiro de eventos para realizar a venda em outros países.

Vamos dar uma de “Rádio-Relógio… Você sabia?

Você sabia que quem exporta tem redução de impostos?

• O ICM não é cobrado para produtos industrializados ou semi-industrializados;
• O Cofins não incide sobre a receita das exportações; e
• O IOF tem alíquota zero para operações de câmbio referentes às exportações de produtos e serviços.

Fantástico !!! Não?

Ainda tem mais…
Como resultado de todo esse empenho para exportar, as empresas acabam se tornando mais competitivas no mercado interno !

Quer alguns exemplos:

# Em 2003, a Boavistense, fabricante gaúcha de pirulitos, balas e gomas, teve uma receita de US$ 6 milhões com a venda de guloseimas para a América do Norte, América Latina e África, tendo, hoje, 35% do faturamento proveniente das exportações.

# O mercado de exportação segue tendências e a Natu Science, fabricante de velas ecológicas, apostou na aceitação de produtos 100% naturais e, em parceria com uma empresa francesa, a Nature & Découvertes, colocou os seus produtos no mercado francês.

# Um pequeno empresário, dono de uma empresa familiar que fabrica e vende roupas e agasalhos para cães, preocupado com a queda das vendas no verão paulista, colocou um anúncio à procura de brasileiros vivendo no exterior e que estivessem dispostos a vender os seus produtos. Hoje, essa empresa, utilizando o “Exporta Fácil”, dos Correios, está exportando para o Japão, USA, Canadá e mais sete países, correspondendo a 30% do negócio, permitindo manter a produção de 2000 peças por mês, faça frio ou sol.

O CAMINHO DAS PEDRAS

Veja cinco entidades que podem dar orientações básicas e boas dicas para o micro e pequeno empresário ganhar dinheiro no mercado internacional:

• CORREIOS

A maneira mais fácil de exportar atualmente é pelo “Exporta Fácil”, sistema de entrega criado pelos Correios há cerca de 4 anos. Podem ser exportadas mercadorias no valor de até US$ 10.000, em pacotes de até 30 Kg, para mais de 200 países.

Hoje, cerca de 3.000 empresas exportam para vários países utilizando o Exporta Fácil e somadas movimentaram em 2003 um total de R$ 35,5 milhões.

O Exporta Fácil reduz a burocracia ao mínimo, um único formulário serve para Recibo de Postagem, declaração para a alfândega, Conhecimento de Embarque e guia de instrução para a emissão da Declaração Simplificada de Exportação (DSE) junto ao Sistema de Comércio Exterior. As faturas pró-forma e comercial, assim como a Nota Fiscal também são exigidos na operação.

Os produtos levam de 2 a 30 dias para serem entregues e é possível, através do site dos Correios, preencher formulários, faturas e calcular preços de entrega.

Site => www.correios.com.br

• AGÊNCIA DE PROMOÇÃO DE EXPORTAÇÕES – APEX

Órgão do governo que estimula micro, pequenas e médias empresas a exportar. Possui um programa de consórcios de empresas que desejem exportar, funcionando como um “clube de negócios”, permitindo a redução de custos, compartilhamento de despesas e ganhos em escala.

Para participar observe se existem grupos formados ou em formação com os mesmos interesses da sua empresa, depois prepare um “Plano de Negócios” e apresente-o à APEX. Se for aprovado, a agência injetará uma verba para alavancar os negócios, podendo ser utilizada na prospecção do mercado, na adaptação dos produtos ou na participação de feiras no exterior. Hoje, a agência possui cerca de 200 consórcios em operação.

Site => www.apexbrasil.com.br

• BANCO DO BRASIL

O Programa de Geração de Negócios Internacionais foi criado para apoiar micro, pequenas e médias empresas que queiram exportar. O programa oferece consultoria sobre o melhor caminho a seguir, ajuda a reconhecer as melhores oportunidades, treina, orienta na documentação, calcula preços e ensina a logística. Em complementação, existe um Portal de Negócios na Internet, com dicas sobre legislação, produtos, potenciais compradores, câmbio e calendários de cursos e feiras.

O banco oferece 3 linhas de crédito para exportação:
ACC – a empresa recebe os recursos para produzir e exportar depois;
ACE – destinado a financiar a venda e ganhar competitividade no mercado; e
PROEX – programa de financiamento às exportações, que cobre até 85% do valor da exportação.

Site => www.bb.com.br

• SEBRAE

Presta assessoria indicando os caminhos da exportação, da análise de mercado ao fechamento do contrato. Auxiliam as empresas na participação em cooperativas e consórcios destinados à exportação e oferecem cursos em seus escritórios espalhados pelo país. No site do órgão, existe um Guia de Orientação, com cerca de 200 perguntas e respostas sobre comércio exterior.

Site => www.sebrae.com.br

• PORTAL DO EXPORTADOR

Criado pelo Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior é um ótimo caminho para explorar o mercado internacional. O Portal tem muitas informações para quem deseja exportar.

Site => www.portaldoexportador.gov.br

10 PASSOS INDICADOS PELO SEBRAE E APEX

1. Pesquisar: verifique se a legislação permite a exportação de seu produto, se existe mercado para ele no exterior e se existem outras empresas brasileiras exportando o mesmo produto, para quais países, em que quantidade e por qual preço. Essas informações podem ser encontradas na Internet, através do ALICE-Web.

O Sistema de Análise das Informações de Comércio Exterior via Internet, denominado ALICE-Web, da Secretaria de Comércio Exterior (SECEX), do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC), foi desenvolvido com vistas a modernizar as formas de acesso e a sistemática de disseminação dos dados estatísticos das exportações e importações brasileiras.

O ALICE-Web é atualizado mensalmente, quando da divulgação da balança comercial, e tem por base os dados obtidos a partir do Sistema Integrado de Comércio Exterior (SISCOMEX), sistema que administra o comércio exterior brasileiro. No momento, o acesso ao ALICE-Web é gratuito. Para proceder à consulta, basta clicar no módulo de pesquisa desejado.

Site => aliceweb .desenvolvimento.gov.br

2. Oportunidades: enquanto estuda a viabilidade de mercado, encontre quem pode comprar o seu produto. Além da consulta aos sites listados abaixo, consulte as Câmaras Comerciais e os Consulados, procure participar de feiras no Brasil e no exterior e, se possível, integrar missões comerciais para outros países.

Sites => www.portaldoexportador.gov.br / www.bb.com.br /www.braziltradenet.gov.br / www.apexbrasil.com.br / www.sebrae.com.br

3. Habilitação: a empresa, para se habilitar a exportar, necessita de um documento chamado “Registro de Exportador”, que pode ser obtido na Delegacia da Redeita Federal mais próxima ou na Secretaria de Comércio Exterior do MDIC.

Site => www.receita.fazenda.gov.br

4. Venda: para efetuar a transação sua empresa pode fazer a venda diretamente ou contratar empresas especializadas em comércio exterior, como as tradings, distribuidores, corretores ou representantes. Também pode fazer parte de uma associação ou consórcio de empresas, licenciar a marca ou criar uma franquia.

5. Produto: seu produto precisa atender às normas internacionais e às exigências do comprador. Fique atento aos gostos, religião, hábitos, costumes e regras de etiqueta dos países para onde deseja exportar. Isso vale para o produto, informações no rótulo e desenho das embalagens. Podem ocorrer situações em que exigências extras são solicitadas, como por exemplo, certificados adicionais. No site do MDIC existe uma relação dos produtos sujeitos a anuências prévias na exportação, com a indicação dos órgãos que podem solucionar o problema.

Site => www.mdic.gov.br

6. Preço: a exportação exige um recalculo no preço de seus produtos. Leve em conta para adequar o preço => seguro, embalagem, frete, despachante, custo bancário, taxas e tarifas, imposto de renda e comissão (caso haja).

7. Negociação: o principal documento para formalizar uma negociação com o exterior é denominado “Fatura Pró-Forma”, cujo modelo pode ser obtido no Banco do Brasil. É uma espécie de minuta de contrato, que também poderá ser utilizada pelo importador para a obtenção de uma eventual carta de crédito. Geralmente é preenchida em inglês, mas dependendo do país, poderá estar no idioma local.

8. Documentação: depois de aceitos todos os termos descritos na Fatura Pró-Forma, vamos à burocracia:
• Nota Fiscal => acompanha a mercadoria até o embarque. É necessária para que o exportador obtenha os incentivos fiscais da venda internacional;
• Registro de Exportação => informa todas as características da operação. Há um modelo simplificado para exportações com valor até US$ 10.000;
• Fatura Comercial (Commercial Invoice) => serve para formalizar a transferência de propriedade da mercadoria para o comprador, para o pagamento da exportação e para a liberação da mercadoria;
• Romaneio de Embarque (Packing List) => usado para descrever os volumes e conteúdos das embalagens, para fins aduaneiros;
• Conhecimento de Embarque => emitido pela transportadora, comprova que a mercadoria embarcou no meio de transporte. Indispensável para a liberação da mercadoria no exterior;
• Certificado de Origem para Aladi e Mercosul => usado para comprovar a origem da mercadoria nas exportações para países que integram esses blocos comerciais. Com ele, sua empresa pode conseguir redução ou isenção de impostos;
• Seguro => a Seguradora Brasileira de Crédito à Exportação cobre até 85% do valor do negócio contra inadimplência do importador;
• Fatura Consular => documento exigido por poucos países; e
• Certificado Fitossanitário => exigido em produtos de origem animal ou vegetal.

9. Pagamento: negocie muito bem a forma de pagamento. O caminho mais comum é a Carta de Crédito, à vista ou à prazo, feita pelo importador a favor do exportador. Sua empresa pode receber antecipado ou contra a entrega, por cheque ou ordem bancária. Se o pagamento for parcelado, o importador só poderá retirar os documentos para liberar a mercadoria se assinar uma letra cambial, que assegure o pagamento.

10. Dinheiro no Bolso: atenção máxima na hora de fechar o câmbio! O valor a receber estará condicionado às oscilações de câmbio do mercado. É necessário ter um contrato de câmbio emitido por bancos que trabalham com comércio exterior. Uma operação cambial mal conduzida pode comprometer a margem de lucro.

SITES E TELEFONES ÚTEIS

# Agência de Promoção de Exportações (APEX)
www.apexbrasil.com.br
Tel: (61) 426-0202
email: apex@apexbrasil.com.br

# Associação das Empresas Brasileiras de Trading (ABECE)
Tel: (21) 2253-1225

# Associação das Empresas Brasileiras para Integração do Mercosul (ADEBIM)
Tel: (11) 3887-8899
email: maaly@uol.com.br

# Associação de Comércio Exterior do Brasil (AEB)
www.aeb.org.br
Tel: (21) 2544-0048
email: aebbras@embratel.net.br

# Banco Central do Brasil
www.bacen.gov.br
Tel: 0800-99-2345
email: cap.secre@bcb.gov.br

# Banco do Brasil
www.bb.com.br
Tel: 0800-78-5678

# Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES)
www.bndes.gov.br
Tel: (21) 2277-7447 / 3088-7447

# Câmara de Comércio Exterior (CAMEX)
www.mdic.gov.br/comext/camex/camex.html
Tel: (61) 2109-7483
email: camex@mdic.gov.br

# Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC)
www.mdic.gov.br
Tel: (61) 2109-7000

# Secretaria de Comércio Exterior (Secex)
Tel: (61) 2109-7080
email: nucex@secex.mdic.gov.br

# Ministério da Fazenda
www.fazenda.gov.br
Tel: (61) 412-2000

# Secretaria da Receita Federal
www.receita.fazenda.gov.br

# Ministério das Relações Exteriores (MRE)
www.mre.gov.br
Tel: (61) 411-6392

# BrazilTradeNet
www.braziltradenet.gov.br

# Seguradora Brasileira de Crédito à Exportação S/A (SBCE)
www.sbce.com.br
Tel: (21) 2510-5000
email: sbce@sbce.com.br

# Departamento de Promoção Comercial do Itamaraty
Tel: (61) 211-6161

Fonte: Revista SeuSucesso – Nº 15 – junho/04

Ivan F. Cesar
Diretor-Executivo do Portal EMPREENDER PARA TODOS
wilson.giglio@empreenderparatodos.com.br

Publicidade

shadow


Comments

  1. Avatar

    Carla Cristiana    

    Hoje em dia as micro e pequenas empresas têm muitas chances para exportarem. Alias, excelentes recomendações de sites e portais na matéria! Conheço – e particularmente indico- um portal B2B voltado as micro e pequenas empresas, o B2Brazil.com.br. No B2Brazil.com você pode cadastrar sua empresa e receber contatos internacionais.. a minha vem recebendo muitos desde que a cadastrei no inicio deste ano.. fica mais uma dica!!

    1. Eijy18    

      Olá Carla Cristiana, agradecemos o comentário! e pela excelente dica!

      Avatar

Deixe uma resposta