O MAIS COMPLETO PORTAL DO BRASIL PARA EMPREENDEDORES

Você está alinhado ao negócio da sua empresa?

Um interessante artigo de Pedro Borges publicado no site do GEJUR nos brinda com indicadores que demonstram a necessidade do departamento jurídico estar alinhado ao negócio da empresa.

Divido o artigo e teço alguns comentários após o mesmo.

O JURÍDICO ALINHADO AOS OBJETIVOS DA EMPRESA

24/08/2016

por Pedro Borges

 

Cada vez mais os departamentos jurídicos vão deixando de ser um grupo separado das estratégias das empresas e se integrando à gestão dos negócios. Mesmo que ainda possa ser lembrado apenas quando surgem problemas e seja percebido como alguém que só vê impedimentos para o negócio, os gerentes e diretores jurídicos conquistaram um lugar bem diferente do que o departamento estava vinte anos atrás. Numa tentativa de avaliar o alinhamento estratégico do jurídico com os objetivos da empresa, o FDJUR fez uma consulta com 67 empresas, e obteve uma série de dicas valiosas para os jurídicos, independente do grau de alinhamento.

Fatores Mais Importantes para o Alinhamento

Para mudar a forma como era visto pelo resto da empresa, o jurídico foi obrigado a ir além das suas atribuições essenciais. Acima de tudo, ter reuniões regulares com CEOs, diretores, chefes de unidades e afins se mostrou o melhor caminho para mostrar que o jurídico tem mais a oferecer do que as outras áreas acreditavam, mas isso não é tudo. Para vincular o desempenho do jurídico com os objetivos dos negócios é preciso estar mais presente em outros setores da companhia, seja participando de forças tarefas junto de outras áreas, colocando advogados nas unidades de negócios e se posicionando proativamente em busca de novos caminhos para prevenir riscos iminentes ou pré-existentes para a companhia. A conscientização do corpo de advogados deve ir além dos aspectos estritamente jurídicos e alcançar a conjuntura dos negócios, dos desafios e dos objetivos estratégicos nos próximos anos.

Dificultadores ao Alinhamento às Unidades de Negócio

A imagem do advogado que aparece apenas para “apagar incêndios” ou polemizar sobre os riscos inerentes a novas experiências deve ser combatido para que não se espere apenas isso dele. Um dos melhores meios para abrir caminho é mostrar com clareza a contribuição do jurídico para os resultados financeiros da companhia, mas para mudar de um posicionamento operacional para o estratégico é necessária organização, dedicação, conhecimento do negócio, dos problemas e o apoio aos demais gestores e a alta administração. Alinhar uma postura pró ativa, com foco no sucesso do negócio da empresa é um diferencial competitivo em qualquer setor da empresa.

Táticas para Facilitar o Serviço ao Cliente Interno

A maior parte dos clientes internos se preocupa exclusivamente com os interesses mais imediatos de seus respectivos setores. Essa falta de visão costuma atrapalhar a atuação do jurídico, especialmente quando é necessário interromper as atividades que incorrem em riscos que eles não percebem. Educar esses clientes sobre como evitar e gerir riscos é o caminho mais importante, segundo os respondentes da pesquisa. Para evitar o envolvimento direto do jurídico é sempre valioso antever as relações do negócio para fornecer modelos de documentos legais para que os clientes internos possam entrar em acordo com os consumidores sem a necessidade de qualquer acompanhamento. Todas essas ações contribuem para que o jurídico seja visto como um aliado, disponível para os outros setores procurarem orientações legais, do contrário, somente a exigência da alta administração para que as áreas de negócio incluam o jurídico em seus processos fará com que essa exigência crie certa antipatia. Para evitar esse problema, também ajuda falar os respectivos “idiomas”, diferentes para a alta administração e para outras áreas.

Ferramentas de Comunicação da Atuação

Do mais para o menos importante, segundo os respondentes da pesquisa, as ferramentas que o jurídico deve explorar são os relatórios regulares à alta administração, a utilização de métricas de desempenho, as avaliações internas e pesquisas de satisfação, os relatórios para o negócio e os acordos de atendimento ao cliente. Os relatórios e métricas sobre o jurídico devem ser simples, objetivos e conciliar resultados financeiros facilmente mensuráveis, do contrário a rotina pode ser abandonada ou vista com má vontade por seus operadores. Quem começa a utilizar pesquisas de satisfação costuma encontrar resultados trágicos, e isso é bastante valioso, pois servirá de comparação para o futuro com espaço para evoluir, mas é preciso estar aberto para escutar tudo, a não ser que opte por construir um questionário bastante objetivo, para tratar apenas de assuntos pontuais.

Em contrapartida a uma pesquisa de satisfação, o jurídico pode se valer de uma pesquisa de eficiência com perguntas que alcancem apenas conhecimento e capacidade de lidar com questões importantes. Segue um exemplo:

  1. O profissional demonstrou conhecimento das Políticas e Diretivas da empresa?
  2. O profissional demonstrou conhecimento da legislação?
  3. O profissional demonstrou conhecimento dos negócios e produtos da empresa?
  4. Explicou as consequências e riscos adequadamente?
  5. Propôs alternativas para minimizar os riscos?
  6. Apresentou argumentação razoável?
  7. Se mostrou disponível para argumentar com a outra parte, se necessário?

Todas as informações acima foram oferecidas por colegas de departamentos jurídicos para colegas de todos os jurídicos. A necessidade de maior integração não vem apenas da conscientização de alinhamento com as outras áreas, mas da realização de que a área jurídica tem muito mais a oferecer e seus profissionais estão mais do que interessados nessa evolução.

Fonte: http://www.gejur.com.br/Noticias/detail/299-o-juridico-alinhado-aos-objetivos-da-empresa

 

Qual a real importância disto?

Ser estratégico.

Se o departamento jurídico não for visto como estratégico ele é apenas um custo operacional da empresa e pior, ele não traz nenhum ativo (na visão do dono) para o resultado do negócio.

Conhecer o negócio, compreender o mercado, saber o jurídico é básico.

Para ser estratégico tenha assento nas reuniões de diretoria, demonstre que o jurídico pode auxiliar nas tomadas de decisão da empresa embasando riscos e fornecendo dados para estas tomadas de decisão.

E como fazer tudo isto?

Comece investindo em gestão e tecnologia no seu departamento jurídico. Conheça os processos internos, o tempo de cada processo interno, elimine o email, use indicadores para mostrar a direção da empresa o caminho a ser tomado.

Quer mais detalhes de como fazer? Entre em contato abaixo.

É um prazer auxiliar o departamento jurídico a chegar a excelência.

______________________________________________________________________________________
Pensamentos escritos por Gustavo Rocha
Consultoria Gustavo Rocha.com – Gestão, Tecnologia e Marketing Estratégicos
(51) 8163.3333  |  gustavo@gustavorocha.com  | http://www.gustavorocha.com

 

Fraterno abraço,

 

Gustavo Rocha

Sócio da Consultoria GustavoRocha.com – Gestão, Tecnologia e Marketing estratégicos

(51) 8163.3333  |  gustavo@gustavorocha.com  |  www.gustavorocha.com

Gustavo Rocha